sábado, 27 de fevereiro de 2016

#Especial Super Sentai 40 anos - A Era Showa

Boa tarde amigos e leitores do Blog Toku Force, tudo bem com vocês?
Voltamos com as nossas matérias especiais do ano, e como da última vez abordamos a história dos Riders da Era Showa, começamos agora a abordar a história dos Super Sentai, que neste de 2016, comemorará 40 anos de existência na Televisão japonesa sem nenhuma interrupção até hoje! Sem dúvidas um sucesso. E se você nunca assistiu nenhuma série do gênero, tenho certeza que já os conhece, nem que seja pela adaptação americana Power Rangers.
Enfim, esta matéria irá fazer uma viagem neste universo desde o seu nascimento salientando os pontos mais importantes e marcantes de cada uma delas. Então vamos a leitura!


O NASCIMENTO DO PRIMEIRO ESQUADRÃO

O ano era 1975, e nesta época, as séries de Super-heróis Japoneses se encontravam em alta, e muitas séries eram exibidas até que de forma exaustiva na televisão japonesa, liderando audiências e ganhando cada vez mais popularidade entre a criançada. Além dos Kamen Riders, também havia os chamados Henshin Heroes (heróis que se transformam e que não se encaixam em nenhuma franquia, como Kikaider por exemplo). Em busca de uma nova série televisa, a Toei contata mais uma vez a fábrica de imaginações ambulante, o Senhor Shotaro Ishinomori (o qual sempre faço questão de mencionar em minhas matérias), para que assim fosse criada uma nova série. Sua proposta desta vez, havia sido um pouco diferente dos seus trabalhos anteriores, que sempre tinha como protagonista um herói solitário, que havia sido transformado em um mutante por uma organização maligna. Desta vez, o autor criaria uma equipe de 5 membros coloridos, como o vermelho sendo a cor predominante e sendo o líder dos outros 4 membros.


A série foi nomeada como Himitsu Sentai Goranger (Esquadrão Secreto Goranger), e estreou na TV NET (atual Asahi) exatamente no dia 5 de abril de 1975, ocupando o lugar da série Kamen Rider Amazon. O sucesso da série foi imediato, e inclusive ofuscou o sucesso dos gafanhotos mutantes. Acredita-se que este tenha sido o motivo para a série do Amazon ter sido a mais curta da franquia, durando apenas 24 episódios. 

O seriado, mostrava as aventuras de 5 corajosos jovens que com a ajuda da fundação EAGLE, se erguem para enfrentar o exército da cruz negra. Os nomes dos personagens possuem uma história interessante. A atriz cotada para interpretar a Pink Ranger, Risa Komaki, era conhecida por suas coxas serem belas e formosas. A produção então, optou por mudar o nome para Momo Ranger, já que “momo” é uma palavra usada para designar coxas. Sendo assim, os nomes dos outros integrantes também foram adaptados: Red Ranger passou a ser Akaranger (Aka significa vermelho em japonês), Green Ranger/Midoranger, Blue Ranger/Aoranger, e Yellow Ranger/Kiranger. E o nome da equipe que se chamaria Five Rangers, mudou para Goranger (Go = cinco). O produtor Toru Hirayama, ajudou Ishinomori na criação dos nomes dos personagens. Mais sobre a história do produtor e também de Goranger poder sem lidas neste texto.

Outra curiosidade, é que Ishinomori escreveu o tema de abertura da série cantado por Isao Sasaki e o segundo encerramento interpretados por Michiaki Watanabe. Um mangá também foi publicado na época desenhado e escrito pelo autor.
O Sucesso da série, rendeu longos 84 episódios, e o seu final foi exibido no dia 26 de março de 1977. É importante frisar que, até então a série não havia sido pensava para ser uma franquia, isso aconteceu de forma natural e com uma certa ajuda da empresa americana Marvel, mas isso falaremos um pouco mais adiante...

Muito contente com o bom desempenho de Goranger, a Toei então prossegue com os esquadrões coloridos, criando mais uma série. Os heróis da vez são JAKQ Dengekitai (Equipe relâmpago Jakqer) uma equipe cuja temática principal eram as cartas de baralho.

A série possuía roteiros sérios e adultos, e uma carga dramática excessiva, o que de certa forma, não foi muito do agrado do público. A série então deve de ser cancelada no episódio 35. No entanto, não podemos considera-la um fracasso, já que a série teve uma audiência acima da média. Um fato interessante, é que o quinto membro da série seria inserido depois de alguns episódios. Big One, também foi interpretado por Hiroshi Miyauchi, que também viveu AoRanger em Goranger. Mesmo ficando na TV por pouco tempo, a série JAKQ, ganhou um filme em 1978, onde faz um crossover com Goranger, juntando os dois papéis do ator Hiroshi, e fazendo referências a diversas séries da época.

Agora entramos na fase em que o gênero passaria por grandes mudanças. Em 1978, uma das maiores empresas de quadrinhos, a famosa Marvel, se uniu a Toei passando a patrocinar algumas séries até os anos 80. A primeira série desta união seria a versão nipônica de um dos personagens mais famosos de Stan Lee, sim, o aracnídeo, e cabeça de teia Homem Aranha foi adaptado para a versão japonesa, claro, com uma história totalmente diferente das histórias originais do herói em suas HQs originais. Supaidaman, trouxe consigo inovações que seriam importantes para a evolução dos esquadrões coloridos. A principal delas foi o Robô gigante Leopardon, e ainda que em 1977 a Toei já havia produzido Daitetsujin 17 (outra criação de Ishinomori) acredita-se que foi o Leopardon que impulsionou a ideia da Toei de inserir um robô no próximo esquadrão colorido.


Um ano após Supaidaman, a Toei lança a série Battle Fever J (Febre da Batalha J) sendo quase uma versão japonesa dos Vingadores da Marvel. Na série temos 5 guerreiros, cada um representando um país. São eles: Battle Japan líder e representante do japão. Battle Kenya, representando Quênia, Battle Gossack União Soviética, Battle France, França e Miss américa, os Estados Unidos. Aqui foi inserido o primeiro Robô gigante que se chamaria Battle Fever Robô. O gênero que até então era conhecido apenas como sentai, passaria a ser conhecido agora como Super Sentai, pelo gigantismo do robô. 
Em Battle Fever, temendo o domínio da organização misteriosa EGOS no Japão, o general Karuma, contrata 5 agentes especialistas em lutas para se tornarem os heróis Battle Fever J. Cada um deles, por residirem em diferentes países, tem como características de luta, tudo o que foi aprendido em cada país. Egos, aumenta seu poder e com isso, os monstros passam a se agigantar, por este motivo é criado o Battle Fever Robo.

OS ANOS 80 E AS INOVAÇÕES


Com 3 séries já produzidas, a franquia já estaria praticamente oficializada. Em 1980, entra em cena Denshi Sentai Denziman (Esquadrão Eletrônico Denjiman) mais uma série patrocinada pela Marvel. Aqui já temos um padrão no visual dos heróis e a formação de 5 cinco membros, além do Robô gigante que já ganharia um visual mais arrojado, e também o primeiro a se transformar usando outros equipamentos. A série também teve copyright da Marvel, porém a mesma não se envolveu na produção. A série contou com 51 episódios que mostraram a luta do esquadrão eletrônico, que após 3000 anos retornam a terra para enfrentar o terrível Clã Vader (referência a Darth Vader?).

Em 1981, é vez de Taiyou Sentai Sun Vulcan (Esquadrão Solar Sunvulcan). Esta série seria conhecida por muitos como uma continuação de Denziman, mesmo não tendo nenhuma ligação entre as duas séries. Porém, o esquadrão eletrônico chega a ser citado em alguns episódios de Sun Vulcan, e serviu como base de roteiro para 2 episódios da série. 

Sun Vulcan também traz uma novidade, mostrando apenas 3 integrantes. Vul Eagle, Vul Shark e Vul Panther, se integram ao esquadrão solar, idealizado pelo doutor Harashiyama para deter os planos da organização Black Magma liderado pelo sinistro Hell Saturn (que parece ser mais uma referência a Darth Vader). Eles precisam preservar suas identidades para que o esquadrão, assim como os maquinários não sejam descobertos. 

A serie também foi a terceira a ter uma troca de atores, já que o ator Ryusuke Kawasaki que interpretou Vul Eagle até metade do seriado, saiu dando lugar para Godai Takayuki como o novo Vul Eagle. A primeira vez que isso ocorreu foi em Goranger, quando o ator Baku Hatakeyama, saiu dando lugar para Jiro Daruma como o novo Kiranger. Infelizmente o ator cometeria suicídio em 1978. A segunda vez foi em Battle Fever J, quando o ator Yukio Itou (mesmo ator que interpretou Midoranger em Goranger), o Battle Cossack, deu lugar para Ban Daisuke (que viveu Kikaider na série original) como o segundo Cossack, e também a Miss América, quando a atriz Diane Martin sai da série dando lugar para Nahomi Hagi.

Sunvulcan também foi a série de estreia do nosso amado Akira Kushida, que cantou a abertura e encerramento, que se tornaram um dos mais populares até hoje. Sun Vulcan foi a última série a ser feita com parceria com a Marvel. No ano de 1983, a Marvel se mostrou interessada em levar as séries para o ocidente, principalmente a série Sun Vulcan. Uma das emissoras cogitadas para exibir a série, foi a HBO, mas infelizmente a ideia não deu certo. Pensa-se que a série poderia ter sido o primeiro Super Sentai a ganhar uma adaptação americana.

Voltando agora para a sequência de séries, em 1982, a Toei lança a série Dai Sentai Goggle V (Grande Esquadrão Goggle Five). A série contou com 50 episódios para TV e um filme.

A temática da série não é muito diferente de suas antecessoras Denjiman e Sun Vulcan, porém as armas, assim como o estilo de luta dos personagens são baseados na ginastica rítmica. Goggle V foi umas das séries exibidas aqui no Brasil, onde ganhou o nome de Gigantes Guerreiros Goggle V distribuída pela obscura Oro Filmes, que também trouxe Machineman e Sharivan. Aqui foi inicialmente exibida pela Rede Bandeirantes no início dos anos 90 não obtendo um sucesso assim como as outras séries exibidas aqui, e o motivo disso, foi a péssima versão trazida da Itália, com as matrizes ruins, BGMs alteradas e som abafado, e isso afetou e muito na qualidade da dublagem. No entanto, no Japão, a série continua sendo umas series de maior audiência até os dias de hoje. Uma curiosidade, é que esta foi a primeira série onde o Robô era formado por 3 veículos diferentes. 

No ano seguinte, temos literalmente uma explosão, pois é a vez de Kagaku sentai Dynaman (Esquadrão Cientifico Dynaman) entrar em cena! Boatos dizem que a série foi pensada originalmente para ter como tema principal o Baseboll, pegando carona no sucesso de Goggle V também baseado em esporte, no caso, a ginastica. Inicialmente a série se chamaria Yakyuu Sentai V-Leager (Esquadrao do Baseboll V-Leager?), bom para a nossa sorte, o nome foi alterado para Dynaman, que na verdade faz um trocadilho com a palavra Dynamite (Explosivo) para combinar com o espirito explosivo dos heróis. Foi o primeiro onde os 5 guerreiros tripulam o Robô 

Na história, o professor Kyuutarou Yumeno reúne 5 jovens cientistas para unirem forças e destruir o império Jyashinka, seres anfíbios que desejam invadir a terra. O professor entrega a eles poderosos trajes e armas poderosas que são capazes de impedir esta ameaça.
Os trajes dos heróis, foi o primeiro a contar com um diferente tecido, menos brilhante que as demais e também um dos mais simples, não tendo lenços e nem capas como os anteriores. A série contou com 51 episódios exibidos até janeiro de 1984, quando seria substituída por Bioman. 

MAIS INOVAÇÕES E O FIM DA ERA SHOWA 


Choudenshi Bioman (Super Elétron Bioman), foi a segunda série a não ter o “Sentai” no meio do nome. Também foi o primeiro a mostrar duas integrantes femininas, Yellow Four e Pink Five, além disso foi o primeiro onde 3 dos 5 membros pilotavam um veículo antes do Robô ser formado. Bioman contou com 51 episódios e um filme. Fez um grande sucesso dentro e fora do Japão, pois foi levado para as Filipinas e para a França (por Haim Saban, que posteriormente começaria as adaptações Power Ranger) onde fez um estrondoso sucesso. Tanto foi este sucesso que, depois que as séries Maskman e Liveman foram exibidas por lá, ganharam os nomes de Bioman 2 e Bioman 3, por mera jogada de marketing como aconteceu com Spielvan aqui no Brasil, que foi chamado de Jaspion 2. 

A atriz Yuki Yajima, que interpretou Yellow Four saiu misteriosamente da série no episódio 10, alguns dizem que foi por problemas contratuais com a Toei, porém o motivo concreto disso continua sendo um mistério, e nem mesmo os atores principais da série sabem responder isso com exatidão. Os produtores então decidiram “matar” a personagem como justificativa para a troca das atrizes, ela seria então substituída por Sumiko Tanaka que apareceria no episódio seguinte.


A série possui roteiros bem elaborados, e na trama, uma androide chamada Peebo (a primeira de muitas outras “mascotes”) vem para a terra pilotando o Bio Robô, para encontrar 5 jovens terráqueos que foram irradiados pela Bio-partículas despertando habilidades especiais em seus hospedeiros. O Império Gear prepara seus androides e Robôs para invadir a terra, e agora somente os descendentes dos lendários guerreiros Bioman, poderão deter esta ameaça!

Hikaru Kurosaki, conhecido por todos nós por ter interpretado o Jaspion, participa dos episódios 35 e 36 da série, onde conheceria sua futura esposa Asuka Yuto, que na série interpretava a vilã Farrah. Infelizmente ela viria a falecer em 2011. Bioman consolidou diversas inovações que são utilizadas até hoje na franquia. Por pouco Toshihiko Egashira não trouxe a série para o Brasil junto de Liveman e Turboranger, em algumas fitas antigas lançadas aqui, é possível ver algumas imagens da série. O motivo de não ter chegado aqui ainda é um mistério. Atualmente, Bioman está sendo reprisado na França. 


Em 1985, surge umas das melhores séries da franquia, assim como uma das mais longas. Dengeki Sentai Changeman (Esquadrão Relâmpago Changeman) contou com 55 episódios exibidos ate fevereiro de 1986. Changeman foi sucesso no Japão e também aqui no Brasil, pois como todos sabem, a série estreou aqui em 1988 na Rede Manchete e junto de Jaspion, foi a série que abriu as portas para a “febreToku” que se estendeu durante todos os anos 90, marcando a infância de milhares de Brasileiros. O trajes dos heróis são considerados um dos mais belos da franquia, e cada um deles são baseados em animais mitológicos, Dragon, Griffon, Pegasus, Phoenix e Mermaid, que inclusive foi a primeira personagem feminina da franquia a utilizar um uniforme branco. Atualmente a série pode ser encontrada completa em DVD aqui no Brasil pela Focus Filmes.  

Na sequência temos Choushinsei Flashman (Supernova Flashman) conhecido aqui no Brasil como o Comando Estelar Flashman, sendo o segundo Super Sentai a estrear aqui também pela Rede Manchete em 1989. Foi o primeiro seriado a introduzir um segundo Robô gigante, quando o Flash King é derrotado, é inserido o Titan Junior (no original Titan Boy) e o Grand Titan. Esta inovação também seria utilizada nas próximas séries. Os atores Tota Tarumi (Jin/Red Flash) e Sayoko Hagiwara que interpretou a vilã Nefer, se casaram ao termino do seriado, e seguiram carreira de modelo no Japão.

Assim como Changeman, Flashman ganhou um lançamento em DVD aqui no Brasil também pela Focus Filmes. A série possui ao todo 50 episódios e 2 filmes que continuam inéditos por aqui.

Após o sucesso de Flashman, temos a estreia de Hikari Sentai Maskman (Esquadrão da Luz Maskman) aqui no Brasil conhecida como Defensores da Luz Maskman, pintou por aqui em 1991 distribuído pela Top Tape e exibido pela Rede Manchete e bem mais tarde na Rede TV onde foi exibida até o episódio 36. Assim como Bioman, foi um dos grandes sucessos na França. Maskman, foi a primeira a série a supostamente incluir um sexto membro, o personagem X1-Mask que participou unicamente do episódio 39. O traje do personagem, foi criado a partir de um esboço não aproveitado para o uniforme de Red Mask. Uma curiosidade, é que entre a series exibidas aqui Goggle V, Flashman e Maskman com exceção de Changeman, os Reds contaram com o mesmo dublador, Francisco Brêtas. Maskman contou com 50 episódios e um filme, e nem preciso dizer, que continua inédito para nós, né?

Entramos agora na última série da Era Showa, isto por que a série foi exibida entre o ano de 1988 e até fevereiro de 1989, onde já havia se iniciado o período Heisei. Choujuu Sentai Liveman (Esquadrão Super Feras Liveman) caracterizou a 12ª serie da franquia com um total de 49 episódios. Além do seu país de origem, também foi exibida no Peru e na França, onde um fez e até hoje faz um enorme sucesso. A série também seguiu muitas inovações, como por exemplo o uso de peças em formas de animais, sendo que cada Liveman controlava o seu robô subdivisível para formar o definitivo, tendo também uma fortaleza voadora para o transporte de cada máquina. Também foi a primeira série, a mostrar uma integrante feminina com um uniforme na cor azul. Ela inclusive foi a única mulher da equipe assim como foi de Goranger até Dynaman.

Outra novidade em Liveman, é que inicialmente, a série começa com apenas 3 membros, que são Red Falcon, Yellow Lion e Blue Dolphin. Depois chegam Black Bison e Green Sai finalmente formando a equipe de 5 membros. No entanto, isso foi ocorrer quando a serie já se encontrava no episódio 30, o que faz a participação dos novos membros serem um pouco curta demais.


O Roteiro de Liveman ficou caracterizado pela sua dramaticidade e pelos personagens bem desenvolvidos. Na trama, Yusuke, Jou e Megumi, estudantes de uma famosa academia, acabam de desenvolver um traje super-poderoso. Duas pessoas se candidatam para testar o traje. No entanto, outros três estudantes da mesma academia, se aliam ao império de gênios do mal Volt, e destroem a academia, matando assim os voluntários. Para se vingar dos amigos traidores, os três utilizam os trajes de combate para se tornarem Liveman e assim enfrentar os seus antigos amigos que agora se tornaram gênios do mal com planos diabólicos de dominação da terra. 

Em março de 1989, estreia a primeira série da Era Heisei, Kousouku Sentai Turboranger (Esquadrão de Alta Velocidade Turboranger). O primeiro episódio da série mais se pareceu com um especial, pois acontece uma reunião com os 10 primeiros esquadrões (Battle Fever J até Liveman, uma vez que as séries Goranger e JAKQ só foram oficializados como Super Sentai em meados dos anos 90). Acontece então uma espécie de prólogo para a história que só começaria mesmo no episódio 2. Isso gerou uma certa confusão entre os fãs, pois o primeiro episódio ficou conhecido como “episódio 0” e não é incluído na lista de episódios. Porém, é certo dizermos que, a série possui 51 episódios e não apenas 50 como circula na maioria das mídias "especializadas."

A série de Turboranger, foi a primeira a mostrar um grupo de estudantes do ensino médio que são escolhidos para se tornarem os heróis da vez. A Fada Selon reúne os 5 jovens para se tornarem os Turborangers, uma vez que o império Bohma, retorna a terra após 20 mil anos para dominá-la, já que o nosso mundo atual se encontrava muito corrupto. Os jovens agora precisam manter suas identidades e tentar conciliar os estudos com a missão de proteger a terra.

Aqui temos a primeira equipe a ter uma base capaz de se transformar em um Robô. Vale como curiosidade também que o ator Kenta Satou (Que interpretou Riki Honoo, o Red Turbo) canta o tema de abertura e encerramento da série, assim como Daisuke Shima – Yusuke Amamiya, o Red Falcon, em Liveman, também cantou a abertura da série.
Turboranger marca o início de uma nova era para os Super Sentais, porém com a entrada dos anos 90, as séries passariam por uma grande crise que quase resultou no fim da franquia. Mas claro que muitas coisas boas também aguardam os anos 90, o qual iremos falar na próxima matéria! Espero que tenham gostado desta pequena retrospectiva que foi feita especialmente para recordar a trajetória dos super esquadrões no Japão e também comemorar o seu 40° aniversário. 

CURIOSIDADES PARTE 1 - OS SUPER SENTAIS NÃO OFICIAIS?



Nos dias atuais, é normal vermos alguma referência, homenagem ou paródias dos nossos queridos heróis coloridos. Enganasse quem pensa que isso é algo atual, pois desde os anos 70 que muitos programas de diferentes mídias, vem fazendo as suas versões dos Super Sentais. A cada matéria estarei trazendo aqui algumas dessas produções. Hoje trouxe três delas.

·         1976 – Ninja Captor – Ninja Captor, é uma série que não se encaixa em nenhum gênero ou franquia, o mais correto seria a classificação Other Heroes. Foi mais uma produção da Toei feita com uma certa ajuda do mestre Shotaro Ishinomori. A série de 43 episódios foi exibida entre as séries Goranger e JAKQ e é notável uma grande semelhança por também ser um esquadrão. Rumores apontam, que se não fosse por JAKQ, a série poderia ter sido o segundo sentai da história.

·       1976  Enban Sensõ Bankid – Esta série de 26 episódios produzida pela Toho Company (mesma de Godzilla e Cybercops) em conjunto com a Nippon Television, foi exibida no mesmo período de Ninja Captor e as séries Sentais. Fica bem claro a inspiração, pois como podemos ver, também trata-se de uma equipe de 5 membros coloridos. Talvez foi apenas para seguir uma tendência, ou quem sabe, a Toho estava mesmo afim de entrar na onda das super equipes de heróis (Isso foi feito com Cybercops mas somente em 1989). 

·         1982 - Aikoku Sentai Dainipon -  A terceira e última foi na verdade uma paródia que aconteceu nos anos 80. Em 1982, a Gainax (que antes se chamava Daicon Film) produziu um filme chamado Aikoku Sentai Dainipon (Esquadrão patriota dos Grandes Guerreiros Japoneses) e teve como diretor ninguém menos que Hideaki Anno (criador de Evangelion e Cutie Honey). Além de dirigir, ele também cuidou dos efeitos especiais, designs dos personagens e curiosamente vestiu o traje do monstro que aparece no longa. Acredita-se que a música tema do filme, representa o patriotismo japonês em uma época que a Rússia poderia invadir o país. 

E assim finalizo a primeira parte desta matéria! Curta e compartilhe e não deixe de acompanhar as próximas matérias especiais de Super Sentai 40 anos!


BLOG TOKU FORCE - Valorizando o novo e o clássico da década mais divertida de todos os tempos!