quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Matéria Especial: Ultraman Leo


A franquia de Super-heróis mais antiga do Japão, este ano, está completando 50 anos de história (e que história!). Durante todo esse tempo foram muitos altos e baixos, mas a missão foi cumprida e Ultraman conseguiu marcar toda uma geração que até hoje encanta crianças, jovens e adultos por todo o mundo. Aqui no Brasil, tivemos uma verdadeira febre do gênero no início dos anos 70 e mesmo tendo ficado muito tempo sem nenhuma nova série por aqui, Ultraman Tiga ainda alegrou as tardes de muitas pessoas em 2000, só quem assistia a série no programa da Eliana sabe do que estou falando. Hoje, com a internet podemos ter acesso a todas as séries da franquia e muitas estão disponíveis legalmente em sites de streaming como Crunchyroll e Netflix (falaremos sobre isso mais adiante). Dentre essas muitas séries, uma se destaca e muito entre as outras, sendo mais uma das séries “setentistas” que ganharam meu coração. Falo da série Ultraman Leo que será o tema da matéria de hoje.

O HOMEM SEM LAR

O jovem Leo, é um alienígena que vivia de forma pacifica em um belo e distante mundo conhecido como L-77, situado na constelação de Leão. Este mundo, era muito semelhante à nossa terra, com muitos recursos e belezas naturais. Não muito diferente da terra, L-77 passa a ser visada por alienígenas ambiciosos que pretendem dominar toda a galáxia. Um deles é o Magma Seijin (alien Magma) que em um momento decide atacar o povo de L-77, colocando em pouco tempo, todo aquele país em total domínio, destruindo assim toda a sua civilização. Por um milagre, Leo sobrevive ao terrível massacre, mas como consequência tem seus pais e seus irmãos mortos pelas mãos do tirano Magma. Agora sendo órfão e não tendo mais um lugar para retornar, Leo toma conhecimento da terra que é um mundo semelhante ao seu pais de origem e decide fazer daqui o seu segundo lar, passando a viver em solo terrestre na aparência de um jovem treinador de ginastica chamado Gen Ohtori.



Pouco tempo depois, Magma chega a terra para tentar dominá-la da mesma forma que havia feito com L-77, o que ele não esperava é que na terra, estaria Ultraseven como nosso defensor. No entanto, o astuto alienígena traz consigo dois Kaijus (monstros), que são Red Jiras e Black Jiras. Nem mesmo o experiente Ultraseven estava conseguindo dar cabo destes 3 inimigos poderosos e é encurralado tendo sua perna direita quebrada. Quando tudo parecia estar perdido, eis que surge dos céus o jovem guerreiro Ultraman Leo. Mesmo sem experiência em combate, ele consegue despachar os inimigos naquele momento. Ele então, parte rapidamente para ajudar Ultraseven, agora em sua forma humana Dan Moroboshi (devido a última luta, Seven tem o seu Ultra-Eye danificado perdendo assim a sua habilidade de transformação). 


Comovido pela história do Jovem, Moroboshi que agora é líder do MAC (Monster Attacking Crew), um esquadrão especializado no combate aos monstros, convida o jovem a fazer parte da equipe, ele também decide passar todos os seus conhecimentos de luta, assim como todos os requisitos para ser um verdadeiro guerreiro, passando assim, a ser o seu mentor. No entanto, Gen Ohtori acaba sofrendo em determinados momentos na mão de Moroboshi, que a todo momento mantém uma postura mais militar, constantemente dando sermões e ensinando de forma rígida como Gen deve agir para ser um verdadeiro guerreiro e assim conseguir proteger o seu mais novo e amado lar: a terra. Assim começa o drama de Ultraman Leo. 

Depois de alguns episódios, conhecemos um novo Ultra que é inserido na história. Trata-se de Ultraman Astra. Astra é o irmão legitimo de Leo que curiosamente também havia conseguido sobreviver a destruição de seu mundo. Diferente de seu irmão, ele não toma uma forma humana na terra, porém sempre aparece quando o nosso herói está em apuros. 



Em seguida um outro personagem importante chega para melhorar ainda mais, é o enigmático Ultraman King que tem a sua primeira aparição nesta série. King, simplesmente é o nome mais respeitado em M-78, a terra da luz – país dos Ultras. Ao chegar a terra, reconhece os dois irmãos de L-77 como verdadeiros e dignos guerreiros os nomeando como novos integrantes da irmandade Ultra e como verdadeiros Ultraman. Além disso, Leo tem a honra de herdar o manto de King, o que lhe dá a habilidade de transformá-lo em diversas armas, algumas, bem inusitadas (Risos). O manto fica em forma de bracelete no braço esquerdo de Leo.  Não posso deixar de mencionar também que a cena em que Leo e King dão as mãos em pleno pôr-do-sol, é de longe a mais emocionante e marcante da série. 

PRODUÇÃO DIFÍCIL/SUPERANDO AS DIFICULDADES

Poucos devem saber, mas a produção da série não foi muito fácil, pois enfrentaria diversas dificuldades. A ideia de produzir a série, surgiu no final do ano de 1973, um ano em que as series de super-heróis japoneses encontravam-se em uma alta popularidade. A Toei lançava séries a rodo, enquanto novas produtoras também surgiam para disputar esse espaço nas TVs japonesas, vide a P-Productions (Spectreman, Lion-man, Zaborger). Em contrapartida, podemos dizer também que não foi um ano fácil para as produtoras, pois uma grande e complicada crise de petróleo assombrava o Japão e o mundo todo, por conta disso, muitos recursos de materiais que eram utilizados para criar cenários, e também na parte de confecções se tornariam totalmente escassos. Essa crise afetou de forma direta não só a economia do país, como também a indústria de entretenimento.


A Tsuburaya Productions ainda passava por uma reestruturação após a morte de Eiji Tsuburaya, sendo agora comandada pelos seus filhos Hajime e Noburo Tsuburaya. Por sua vez, mesmo com a crise, ela dava continuidade a sua franquia de gigantes prateados. Com o termino da série Ultraman Taro, que teve de ser adiada por conta do atraso na produção de sua série subsequente, contou com 53 episódios, que era considerado um número alto, para a época. Taro, agradou em cheio as crianças da época, o que o fez o herói se tornar muito popular, no entanto, sua popularidade não foi o suficiente para torna-la um sucesso comercial como foram as séries anteriores.

A Tsuburaya se encontrava em uma fase difícil, o que a faria fechar um acordo com a empresa tailandesa Chayo Pro, o que no futuro acarretaria em diversos problemas judicias, mas como a história é muito longa vamos tratar este assunto em uma próxima matéria...). Devido a estes problemas financeiros, por muito pouco, a série sucessora de Taro não foi produzida. Mas, estamos falando da Tsuburaya, uma empresa que tem como “competência” uma de suas marcas registradas. E foi com muito esforço, dedicação, criatividade e força de vontade que a empresa começou a produzir a nova série, que estrearia exatamente no dia 12 abril de 1974 se encerrando no dia 28 março de 1975, durando exatamente 51 episódios. A exibição foi na TBS, que também exibia muitos outros Tokusatsus na época.

Devido aos baixos recursos, e também o baixo orçamento, a série contou com efeitos mais simples, se formos comparar as séries anteriores, ficando bem a altura do que realmente era oferecido na época. Algo que fica bastante visível, é que na série temos pouca atuação do esquadrão de combate, sem muitas variedades de naves e outros apetrechos de combate aos monstros. Isso deixa de ser um ponto ruim, já que os personagens acabam ganhando um espaço muito maior. 



Um diferencial, é que ao contrário dos outros Ultras, Leo não necessitava de poderes de energia e armas, mas sim, apostava na luta corpo-a-corpo com lutas baseadas em golpes de Karatê e diversas outras artes marciais. Outra característica marcante, é a transformação que acontece através de um anel (Leo Ring). O primeiro a utilizar um anel foi Ultraman Ace, mas como todos devem saber, em Ace era necessárias duas pessoas para fazer a transformação no melhor estilo Super gêmeos (Risos).

APÓS A SÉRIE...

Após a série, Leo ainda apareceu em algumas ocasiões. Apesar de não ser tão frequente se comparado as aparições de seus irmãos, ele regressaria em Ultraman Mebius (2006), série comemorativa pelos 40 anos da franquia. O ator Ryu Manatsu também retorna ao seu papel como Gen Ohtori.
Esta aparição marcante pode ser vista no episódio 34 da série, e nessa história, Leo julga o jovem Mebius em não ser digno de proteger a terra, passando a ele um desafio para que assim ele provasse ser bom o bastante para cuidar do nosso lar. Claro que após um embate, Mebius consegue provar ser um verdadeiro guerreiro e os dois se juntam para deter uma ameaça.



Outra aparição importante acontece no longa Mega Monster Battle Ultra Galaxy Legends (2009), lançado aqui no Brasil como Mega Batalha na Galáxia Ultra. No filme, Leo é o mentor de Ultraman Zero, o passando todos os seus conhecimentos para o jovem Ultra, assim como o seu golpe principal, o Leo Kick. Ultraman Zero, nada mais é que o filho de Ultraseven que em outrora também foi mentor de Leo. Uma forma digna de retribuir a quem lhe ensinou tudo, não é mesmo?


Ultraman Leo ainda aparece no especial Ultra Galaxy Gaiden: Ultraman Zero vs Darklops Zero, que é a continuação direta do filme, e também no filme Ultraman Saga (2012) onde aparece trajando seu manto, junto dos veteranos Ultraman, Seven e Jack. Este filme também foi lançado aqui no Brasil e o personagem foi dublado por Nestor Chiesse.
Além desses retornos importantes, podemos ver alguma coisa do herói no filme Ultraman Story (1984), The Revenge of Belial (2010), Ultraman Retsuden, Ultraman Ginga (2013) e nos especiais Ultra Fight Victory (2015).

SUCESSO FORA DO JAPÃO

Alguns anos após ser exibida no Japão, a série foi transmita na Tailândia, no canal UBC7 (atualmente TrueVisions) no ano de 1995. Em 2014, a série foi liberada no Havaí pelo canal KIKU-TV, que também transmitiu a série Kikaider e Inazuman, além de outros Tokusatsus dos anos 70 que se tornaram muito popular no país. Curiosamente, diferente dos outros, Leo não ganhou uma versão em DVD por lá. A estreia aconteceu no dia 3 de janeiro, e passou a ser exibido todas as sextas as 6:30 da manhã, em japonês com legendas em inglês, assim como aconteceu com as outras séries.

No mesmo ano, no dia 12 de novembro, o serviço de Streaming mais popular entre os fãs de animes, o Crunchyroll, também obteve os direitos da série, estreando ao lado de outras séries Ultras como Ultraman 80, Ultraman Max e Ultraman Mebius. Nós Brasileiros também tivemos este mesmo privilégio, e o melhor de tudo é que o Chunchyroll, continua a investir nas séries da Tsuburaya e tal contrato ainda deve se estender por muitos anos. Hoje, além dessas séries, o serviço ainda exibe Ultraman X e o atual Ultraman Orb, ambos sendo as primeiras séries a serem exibida no formato simulcast em quase todo o mundo.



No dia 13 de setembro de 2013, antes de ser transmitida em todo o mundo, a série ganhou um caprichado lançamento em DVD no Japão, e apesar de ter sido um pouco criticada em sua época de lançamento, hoje o seriado se tornou um verdadeiro Cult, entre os fãs de Tokusatsu no mundo todo.

ALGUMAS CURIOSIDADES

*A trilha sonora da série dá um show, sendo a primeira série da franquia a conter 2 aberturas. Para quem não sabe, a primeira é interpretada pelo próprio ator Ryu Manatsu junto com o grupo Shounen Shoujo Gasshoudan Mizuumi e contou com letras de Yu Aku e arranjos de Makoto Kawagushi.

Já a segunda abertura, que entrou no episódio 14, "Tatakae! Ultraman Leo" foi cantada por Yuki Hide, contando com a mesma equipe de composição. Yuki Hide também foi responsável por cantar a trilha sonora da série Kikaider em 1972 além de muitas outras canções de seriados dos anos 70.
Anos mais tarde, essas mesmas músicas foram regravadas pela Columbia onde foram interpretadas por outro ícone das Toku-Songs nos anos 70, Masato Shimon.
Outra música de destaque é "Hoshizora no Ballad" música tema de Gen Ohtori. Uma bela e emocionante canção que também é interpretada pelo ator Ryu Manatsu.



*As cenas de luta de Ultraman Leo foram todas interpretadas pelo suit actor Tatsumi Nikamoto. Nikamoto além de vestir o traje de Leo também já vestiu os trajes de outros heróis da Tsuburaya na década de 70. Entre eles: Garoga de Zone Fighter (Ryusei ningen Zone), Aizenbo de Aizenborg (Kyouryu Daisenso Aizenbogu) e também vestiu o traje do Kaiju Titanossaurus no filme Terror of MechaGodzilla de 1975. 



*O Esquadrão MAC foi a única equipe de suporte a se desfazer no meio de uma série. Parte disso, foi para cortar custos da série, pois como foi mencionado, a produção de Ultraman Leo sofreu com uma terrível crise. Muitos atores também precisavam sair do seriado após ter seus contratos vencidos. Por conta disso, a maioria dos membros eram mortos em determinado episódio. No episódio 3, Suzuki e morto pelo Alien Tsuruk. No episódio 8 temos a morte de Atsushi pelo Alien Vekira, no 16, mais dois membros são mortos pelo Alien Atlar e no episódio 40 temos o fim do esquadrão com a morte de Aoshima, Shirakawa, Satoh, Shirato, Kajita e Matsuki.


O BLOG TOKU FORCE RECOMENDA!
Ultraman Leo é altamente indicado não só para quem é fã do universo Ultra, mas também para todos os apreciadores de Tokusatsu, principalmente quem assistiu as primeiras Ultra séries exibidas aqui no Brasil, pois a série traz historias mais maduras, do mesmo modo que Ultraseven (1967) e O Regresso de Ultraman (1971), tendo uma forte carga dramática e um alto teor de violência. Se você se agradou dessas duas séries, Leo é com certeza um prato cheio. Os roteiros na maioria das vezes mesclavam ficção cientifica e terror, algumas fazendo até referências a histórias clássicas do folclore japonês. 
Embora visivelmente o seriado tenha um figurino "precário" comparada as séries anteriores, a Tsuburaya fez tudo com muito cuidado e dedicação, o que faz de Leo, um dos melhores e mais competentes seriados dos anos 70.
Como já mencionamos, a série é uma das séries licenciadas pelo Crunchyroll e está disponível completa com legendas em Português, então, se você gostou da matéria corre lá agora e assista essa incrivel série, se você já assistiu não deixe de comentar ai embaixo! Até a próxima e Schuwatch!

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Papo de Tokufã com Carine Cristiane


ORE SANJOOOOU!Olá galera tokufanática!
Está chegando aqui mais um papo de tokufã, uma das sessões mais prestigiadas pelos tokufãs leitores do nosso blog. Gostaria muito de agradecer o imenso carinho dispensado a nós em todas as matérias já postadas no aqui, todas as vezes que visualizamos os comentários dos amigos leitores nos enche de animo para continuar com ele no ar. 

Fora as nossas matérias sobre os heróis japoneses, temos o prazer em saber como é o Tokufã Brasileiro, o que gosta o que assiste o que marcou ontem, hoje e sempre a sua vida através dos tempos. Só conseguimos isso graças à confiança de vocês no nosso trabalho, é conversando com você e compartilhando essa experiência com os demais leitores. Hoje vamos dar um novo horizonte a nossa sessão, focando no seriado que o tokufã está acompanhando atualmente.

Na sessão de hoje escolhemos o clássico Kamen Rider Black como tema para o novo formato do Papo. E quem vai bater esse papo nostálgico conosco será a nossa querida Tokufã Carine Cristiane.
E contamos também com uma participação mais do que especial Taty de Sousa do Blog Tatisatsu e do nosso novo colunista Alexandre Pytel, que também deixaram suas perguntas para a nossa entrevistada. Desde já agradecemos a confiança da Carine assim como, a dos tokufãs que já passaram por essa sessão e que futuramente passarão por aqui também. 

Lembrando aos nossos leitores que aqui no blog tem uma matéria muito bem escrita pelo nosso companheiro Venâncio Souza sobre o Black Kamen Rider, que com certeza vai enriquecer ainda mais a sua paixão pelos seriados japoneses. Quer ler? Deixarei o link no final dessa entrevista. Então fique conosco, boa leitura e vamos lá conhecer um pouco da nossa amiga Girl Power!


TOKUFORCE: Como foi pra você fazer parte de uma geração tão especial vivida na saudosa década de 80-90?

CARINE: Viver nesta época creio que foi sorte, foram tantas emoções vividas por causa dos heróis tanto que eu assisto até hoje e estou sempre revendo, nunca me canso e acreditem ainda me emociono choro vendo os episódios das mortes de alguns heróis, mesmo sabendo que no próximo episódio eles vão ressuscitar. Lembro que a primeira vez que vi a morte de um Toku foi à do Jiban e que chorei até, nem dormi a noite, fiquei arrasada. Na escola, no outro dia eu pulei, gritei, fiz um escarcéu quando vi voltar à vida foi uma época inesquecível, tenho orgulho de fazer parte desta geração.

TOKUFORCE: Descreva pra gente o motivo pelo qual os principais seriados tokusatsu dessa época despertaram sua paixão até hoje.

CARINE: O motivo pelo qual os adoro ainda hoje é porque eles são a melhor lembrança da minha infância, tive uma infância muito difícil, fui tirada da minha casa e obrigada a viver longe dos meus pais de criação, em casa de estranhos, e com eles aprendi a ter coragem, aprendi a não me abalar com as dificuldades, a não perder as esperanças que um dia tudo passaria e eu voltaria para minha terra e para os meus pais. Assistir tokusatsu era a única alegria que eu tinha na vida, a cada episódio me renovava à coragem e tudo o que aprendi em termos de caráter foi com eles. 


TOKUFORCE: Jaspion se eternizou desde sua aparição na TV. brasileira até hoje. Mesmo com novas séries sendo prestigiadas atualmente. Na nossa época, fora do tokusatsu tínhamos muitas referencias como filmes de ação com Van Damme, Stalonne, Karatê Kid, filmes do tipo ghostbuster, de volta para o futuro e companhia. Boa parte desses elementos está presentes nos seriados japoneses e sempre estimulava as crianças a brincarem de luta, ser uma Sayaka, uma Anri, uma Lady Diana, um Red Flash, um Change Dragon, um Jaspion. Como você vê essa época e quem você gostava de ser na sua infância ai no sul?

CARINE:  Bom, não passei esta época aqui no RS. Morei em Curitiba nesta época entre 1988 e 1991, foi quando conheci os tokus na verdade passava na Manchete o Jaspion que foi o primeiro que assisti, e por isso é tão especial pra mim.

Nossa! Eu costumava imaginar histórias em que eu mesma sendo salva pelo Jaspion ou pelos outros tokus (risos), eu viajava muito, mas, era muito divertido. Eu me imaginava sendo a Change Mermaid, a Anri, a Yoko de Jiban e mais tarde eu amava brincar de Lady Diana. Não me apegava muito em filmes nessa época, minha atenção era exclusivamente para os tokusatsus mesmo. Até os desenhos da época eu assistia e gostava, mas nada se comparava a minha paixão pelos tokusatsus. Nossa eu amava mesmo e os amo até hoje. Sou muito zuada e criticada por gostar até hoje, mas nem ligo, eles me ensinaram muitos princípios morais que carrego até hoje e acho que isso faz falta para os jovens de hoje em dia. Heróis que passem este aprendizado de: honra, caráter, dignidade, amor ao próximo, acreditar nos nossos sonhos e lutar por eles eternamente. Foi uma época mágica e inesquecível para mim.


TOKUFORCE: Antes de entrarmos nas perguntas temáticas, gostaria de saber de você o que você vem achando dessa nova fase dos tokusatsus no Brasil como a volta de series exibidas aqui pela manchete e das atuais nos sites de Streaming que estão disponibilizando um volume muito satisfatório de tokusatsu em sua programação?

CARINE: Bom, eu não acompanho muita coisa dos novos tokusatsus, no caso não tenho estas novas séries em DVD na minha casa, tenho mais as antigas mesmo. Porém conheço um pouco pela internet e acho que são ótimas no geral, acredito que faria sucesso se viesse a passar em canal aberto como na saudosa e extinta Manchete. Eu com certeza assistiria.






PERGUNTAS TEMÁTICAS SOBRE A SÉRIE KAMEN RIDER BLACK


TOKUFORCE: Segundo a concepção de Shotaro Ishinomori, Kamen Rider Black era originalmente parte de uma organização do mal. Para o criador da franquia Rider Kotaro, melhor, Issamu Minami foi criado sob essas circunstâncias não muito comuns, já que poucos heróis. Como você analisa esse herói que luta contra o mal tendo que se vestir de preto para defender a terra?

CARINE: Ele de fato foi criado para disputar com Nobuhiko o lugar de imperador secular dos gorgons e dominar a terra pra eles. Porém, por conta do arrependimento do pai no último segundo, onde ele ajudou na fuga de Issamu antes que lhe apagassem a memória. E assim ele decidiu lutar contra os gorgons em favor da humanidade. Achei perfeita a história, ficou muito bem bolada.

TOKUFORCE: Conte-nos um pouco o que mais a chama a atenção nessa série, e por que ela é tão especial para você?

CARINE: Eu acho que o ponto forte é o drama vivido por Issamu Minami, por não conseguir salvar o irmão a quem tanto amava. E pior, sabendo que teria que travar uma batalha de vida ou morte com ele, da qual fugiu tanto quanto pode, é especial para mim porque foi o primeiro Rider que assisti, mostra o quanto nós seres humanos podemos ser corrompidos pela ganância, já que o próprio pai vendeu seus filhos aos sacerdotes de Gorgons, muito triste.

TOKUFORCE: Em comparação com as séries Black e RX. Qual você considera a melhor e por quê?

CARINE: Entre Black e RX prefiro Black, por ser uma série mais forte, dramática e emocionante.

TOKUFORCE: Ainda comparando as duas séries, notamos uma diferença na personalidade de Issamu Minami. Em Black ele é mais sério, um pouco pelo drama que ele vivia com seu irmão Nobuhiko. Já em RX, ele sempre está alegre e muito divertido talvez pela dor de não ter salvado o seu irmão. A partir do seu ponto de vista, qual seria a sua verdadeira personalidade, aquele Issamu sério e emotivo de Black ou o Issamu alegre e extrovertido de RX?

CARINE: Eu creio que o Issamu mais sério de Black. Acho que em RX ele adotou aquela postura mais sorridente para disfarçar a dor que carregava no peito por ter matado o irmão,assim como a separação dele com a Kyoko e a Satie, que eram a única família que ele tinha.


TOKUFORCE: Como foi para você assistir o episódio “A MORTE DE KAMEN RIDER” um dos momentos mais marcantes e que ainda emociona grande parte dos tokufãs em todo mundo?

CARINE: Nossa foi muito triste quando assisti pela primeira vez, foi cruel, quase morri chorando. Confesso que ainda hoje choro quando revejo este episódio, mesmo já sabendo que ele volta à vida no episódio seguinte com a ajuda do monstro baleia. A emoção é inevitável pra gente que somos tokufãs.

TOKUFORCE: A pergunta é sobre Taurus. Depois de tomar posse do Sabre Satã, o vilão teve tudo para derrotar Shadow Moon ainda em formação e prestes a ressuscitar. Porém, deu preferência em capturar Kyoko na base Gorgom e desafiar Black. Como sabemos Taurus foi derrotado por Shadow Moon, Black teve tanto trabalho em derrotar o vilão que aquilo que era impossível para o herói, foi fácil para Shadow Moon. Como você analisa a trajetória de Taurus no seriado?

CARINE: Pois é ele foi um inimigo bem poderoso, o segundo mais forte depois de Shadow Moon, quase derrotou o Black. Na verdade, acho que foi por causa da espada que ele Nobuhiko o derrotou com facilidade, com certeza foi por causa do Sabre Satã, creio que sem ela não derrotaria Taurus assim tão fácil não.

TOKUFORCE: Após treze luta, Kamen Rider Black começava a lutar contra monstros mais resistentes aos golpes INSECTUS (Rider Punch) e LOUVA DEUS (Rider Kick), marcado pela batalha contra o monstro Câncer. Futuramente enfrentaria o espadachim TAURUS, até suas últimas jornadas antes de derrotar o grande rei. De todas suas técnicas apenas duas foram aperfeiçoadas, não seria muito pouco para um Kamen Rider?

CARINE: Então, pelo que lembro foi apenas um golpe que foi aperfeiçoado, no caso o golpe insectus, a menos que eu tenha esquecido. E eu não acho poucos os golpes do Black, pelo contrário, mas acho que ele deveria ter uma espada. Seria mais justo, já que seus principais inimigos (no caso Shadow Moon e Taurus), usam espadas e deram muito trabalho ao Black, ele passa por apuros por causa dessa arma antes de ele próprio usá-la para derrotar o grande rei.


TOKUFORCE: Dunker, Baraom, e Pérola, para você qual foi à morte mais impressionante dos três sacerdotes de gorgon?

CARINE: Com certeza a morte da Pérola. Achei bem dramática já que ela se mostrou capaz de sacrificar-se para que Shadow Moon pudesse derrotar o Black. Porém, ficou extremamente magoada e surpresa quando viu que ele não hesitou em sacrificá-la, na tentativa de destruir Black. O que acabou sendo frustrada e somente ela morreu.


TOKUFORCE: Apesar de muitas pessoas considerarem Kamen Rider Black RX inferior a Kamen Rider Black, não dá pra negar que ela foi uma série inovadora na franquia por ter sido a primeira a apresentar formas alternativas para um Kamen Rider, fato utilizado em outras futuras séries da franquia. Dentre todas as formas que Issamu já teve desde o seu surgimento (Black, RX, Bio Rider e Robô Rider), qual delas é a sua preferida? Por que você tem essa opinião?

CARINE: BHA! Eu ainda prefiro a do Black, achei show às transformações do RX sem dúvida foi inovador, porém, Black é uma série mais séria, meio sinistra e até dramática. Este último item faz toda diferença na série toda. Pra mim no geral Black supera o RX.


TOKUFORCE: Comparando os inimigos de ambas às séries, Gorgon e Império Crisis, qual dos dois grupos você considera o mais bem estruturado e ameaçador? Justifique sua resposta com fatos da série.

CARINE: Nisso acho que foi o grupo de RX, porque era um grupo bem maior de comandantes e todos tinham um contingente bem grande de monstros e robôs, e eles próprios eram muito poderosos. O RX teve certa dificuldade em derrotar seus comandantes. Já o Black derrotou os sacerdotes com certa facilidade. Então opto pelos vilões de RX, como sendo os mais fortes.

TOKUFORCE: A verdadeira identidade do Grande Imperador Crisis te surpreendeu ou você já desconfiava que fosse o Dasmader?


CARINE: Não jamais suspeitei, foi uma surpresa para mim.

TOKUFORCE: Agora uma pergunta muito fácil de responder. Como todas as séries tokusatsu nos ensinam inúmeras lições e valores importantes para crescermos como seres humanos. Quais foram às principais lições que as séries Kamen Rider Black e RX trouxeram para sua vida?

CARINE: Bom, em Black acho que a mensagem principal era o valor da família, toda a série era em torno do sofrimento causado pela separação do Issamu e do Nobuhiko, no caso irmãos. Já em RX, acho que a maior mensagem é a esperança. Não desanimar nunca, por maior que sejam seus problemas, enfrente-os com garra e esperança que tudo vai acabar bem

TOKUFORCE: Como você encarou a participação do ator Tetsuo Kurata nas produções atuais da franquia Kamen Rider, inicialmente na série Kamen Rider Decade revivendo seu personagem Kotaro Minami (Kamen Rider Black e RX) em 2009, nos episódios 26 e 27, e logo depois nos filmes comemorativos?
CARINE: Bom, eu só o vi em Decade, não vi os outros, porém foi muito emocionante pra mim revê-lo como Issamu Minami em Decade depois de tantos anos. Muito show.

TOKUFORCE: Em sua opinião, quais foram os episódios mais dramáticos (em Kamen Rider Black) e mais emocionantes (em Kamen Rider Black RX)? Após mencioná-los, explique o motivo de suas escolhas.

CARINE: Mais dramático foi à morte de Kamen Rider, nossa foi horrível porque ele não se sentia capaz de lutar contra o irmão, e pior de matá-lo. Foi dramático. Em RX teve mais de um episódio emocionante, eu achei muito show aquele episódio em que ele achou a Hitomi, que tinha morrido, nossa eu chorei junto com ele. E depois a morte do Shadow Moon depois dele ter ajudado o RX, também foi muito triste. E por fim a parte final do issamu com Shadow Moon nos braços foi muito emocionante.

TOKUFORCE: Como telespectadora, como você encarou na época a não exibição do último episódio de Kamen Rider Black-51- O Último dia de gorgon?

CARINE: Poxa foi frustrante demais. Eu fiquei muito triste. Nossa! Tamanha foi minha alegria quando pude comprar a série agora depois de adulta e vê-la toda.

TOKUFORCE: De que forma você encarou a sabanização da série Kamen Rider Black RX transformada em Masked Rider pela empresa Estadunidense Saban Entertainment, em 1995? Chegou a conferir algum episódio? O que pensa a respeito?

CARINE: Não faço idéia, pois nunca assisti.

TOKUFORCE: Sobre Shadow Moon, na série ele sempre esteve preocupado em vencer o Black, para ocupar o posto de imperador secular, mas ao mesmo tempo, sempre disse querer salvar suas irmãs, Kyoko e Satie. Em sua opinião, mesmo estando transformado ele ainda tinha algum sentimento por elas?

CARINE: Sim acho que ficou bem claro que ele se lembrava delas tanto que tentou convencê-las a passar pro lado dele. Na verdade acho que ele tinha lampejos de memória que iam e vinham, porque às vezes ele se importava com elas e em outras não. O mesmo vale pro Issamu, ele queria destruí-lo, mas, fugiu do confronto por um bom tempo. E mesmo quando já havia vencido o Issamu no episódio da morte do Black, ele não conseguiu arrancar o Kingstone quando ele voltou a ser o Issamu. De certa forma, acho que no fundo ele amava o irmão assim como as gurias.

TOKUFORCE: Ainda falando em Shadow Moon, ele até hoje é considerado um dos melhores vilões do tokusatsu. Qual sua opinião sobre ele? Concorda ou discorda dessa afirmação?

CARINE: Concordo claro! Ele é de fato um dos melhores vilões pra mim. Ele é o segundo melhor depois do Macgaren, ele luta muito e aquela armadura (Bha!), é muito linda. Eu confesso que torci muito para que ele recuperasse a memória depois que o Black o venceu, e que se juntasse a ele para derrotar o grande rei. Eu acho que ficaria um desfecho perfeito. Sem dúvida ele é um grande vilão.

TOKUFORCE: Pra terminar, vou fazer outra pergunta sobre os sacerdotes de gorgom, Baraom, Dunker e Pérola. Eles quase morreram ao dar suas pedras com o objetivo de dar vida ao Shadow Moon. O que você achou da metamorfose dos sacerdotes?

CARINE: Bah! Acho que ficou show depois da metamorfose. Ficaram muito mais fortes, e o visual, apesar de bizarro, eu curti muito. Também sem contar que começaram a ser muito mais úteis pra causa deles á partir daí. Ficaram fortes e poderosos dando muito trabalho ao Black. Foi difícil vencê-los, menos a pérola que acho que foi uma luta mais fraca em comparação aos outros dois, mas, ficou show.

TOKUFORCE: Deixe sua mensagem para o Blog Tokuforce.


Bom gostaria de dizer que acho show este Blog, pois, está sempre dando notícias sobre o mundo tokusatsu, contando as novidades, pra gente ficar bem informado. E achei muito legal estas entrevistas com os tokufãs, onde ficamos conhecendo a opinião pessoal das pessoas sobre os nossos heróis. Eu fiquei extremamente feliz e honrada com o convite. Muito obrigada!

E esse foi mais um Papo de Tokufã moçada! Quem sabe o próximo pode ser você caro leitor.

Link da matéria Kamen Rider Black: Review - Kamen Rider Black

Compartilhe essa matéria nas suas redes sociais.  


Por: Admilton
                                                 

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Toku Force e TVS no Anime Friends 2016

Nesse último final de semana entre os dias 16 e 17, nós estivemos presentes no evento de cultura pop nipônica Anime Friends, que aconteceu mais uma vez no Campo de Marte, em São Paulo. Dessa vez, estivemos em parceira com o site TVS - Tokusatsu Vídeo Store, e além de encontrar os amigos da TokuNet espalhados por esse Brasil, também tivemos a honra de conhecer e ver de pertinho duas feras do Tokusatsu. Takumi Tsutsui (Jiraiya) e Shouhen Kusaka (Jiban) levaram a galera ao delírio com suas apresentações. Confiram um pouquinho do que rolou nesse evento que ficará sempre marcado para nós. 


Como sempre, o ponto de encontro dos Toku fãs foi o espaço Tokusatsu do grupo tokusatsus.com.br. O Stand se manteve sempre cheio e com muita exibição de séries, vendas de produtos e exposições sensacionais. Claro que os Cosplayers também marcaram presença e ali no espaço pudemos tirar muitas fotos, assim como ter um bate papo bacana sobre o assunto. 

O nosso amigo Bone Lopes do canal Os Invasores - A Resistência Tokusatsu, também marcou presença por lá, cobrindo o evento e tirando muitas fotos. Quem conseguiu comprar uma das incríveis artes dele por lá?

Bone e a galera no espaço Tokusatsu. - Foto de Marcelo Robocop
Um dos destaques do eventos foi o stand da Wow! Play, o novo serviço de streaming da Sato Company, serviço focado principalmente em produções japonesas como animes, filmes, documentários e é claro, Tokusatsus! O próprio Nelson Sato, presidente da companhia também esteve lá para a divulgação do novo serviço. O stand reuniu muitas pessoas, que aproveitaram a presença dos Cosplayers ali presentes, como o Jiraiya e o Ranger branco para várias fotos. 

Foto com Nelson Sato

O nosso amigo Edson Nakamatu esteve por lá como Jiraiya. 


Por volta das 16:30 do sábado, tivemos o primeiro dia de palestra com os atores Takumi e Shouhei que mais uma vez foi realizada no Palco Fantasy, e como sempre lotado de fãs na expectativa para conhecê-los. Os dois entraram ao som das músicas-tema das séries e com muitos aplausos. Nem mesmo o tempo frio e chuvoso em São paulo, foi suficiente para desanimar a galera que estava eufórica.  

Takumi, como sempre foi muito divertido e recepcionou muito bem o público, fazendo brincadeiras e piadas a todo momento (risos). Além de fazer a famosa "dança do siri". Sendo sua sexta-passagem pelo Brasil, e segunda vez no evento Anime Friends, ele se sentiu em casa, mas não deixou de dizer estar impressionado e empolgado com a quantidade de fãs e o quanto eles vibram em suas vindas. O ator também atacou de cantor e cantou a música tema da série. 


Kusaka, também foi muito simpático e bem receptivo, apesar de ser bem mais retido e tímido em comparação ao Takumi. Claro, que esta foi a sua primeira vez no Brasil, mesmo assim, ele se disse estar muito contente com o calor dos Brasileiros. Ele também atacou de cantor, cantando o tema da série, e o público, claro, cantou junto.


O público pôde fazer perguntas ao atores, e quem estava responsável pela tradução era ninguém menos que o nosso querido Ricardo Cruz. Um alívio para os fãs, pois muitos reclamaram da tradutora que fez a palestra do Tetsuo Kurata ano passado. Muitas perguntas foram feitas e Takumi contou um pouco sobre como conseguiu o papel para ser Jiraiya.

"Fui escolhido em meio a 3.000 candidatos que estavam concorrendo o papel para ser Jiraiya", disse o ator. 

Kusaka, disse que deve o seu sucesso como Jiban especialmente a série Jiraiya, onde interpretou Kaminin Oruha. O ator diz que devido a sua boa atuação em Jiraiya, os executivos da Toei o contrataram ano seguinte para ser o Jiban. Ao final da palestra, os cosplayers subiram ao palco fazendo os personagens Jiraiya, Jiban e Dokusai. Para o púbico a hora mais esperava, pois seria a hora do Meet & Greet com os dois. 

No dia seguinte (ontem), a palestra começou um pouco mais tarde por conta do concurso de cosplay que foi realizado no mesmo palco. Mesmo assim, o sucesso se repetiu e o público estava ainda maior. A palestra foi rápida e Takumi novamente contou um pouco de sua carreira, assim como contou como foi fazer interpretar Jiraiya novamente na série Ninninger. -" Eu realmente não imaginava voltar a interpretar o Jiraiya 27 anos depois. Para isso precisei perder alguns Kilos", disse o ator levando o público a gargalhadas. 


Kusaka também revelou algumas coisas de sua carreira, disse hoje trabalhar com contratação de atores para séries televisas e fez algumas revelações sobre seu trabalho antes de participar do Jiban. 

"Antes de fazer Jiban, quase fiz um teste para ser o Jiraiya", disse Kusaka. 

Ele também contou sobre o personagem Jiban e como ele foi inspirado no personagem Robocop, que sua vez teve seu visual inspirado em Gavan, confirmando o que muitos davam a muito tempo como apenas rumores. 

Ao final da palestra, os dois cantaram novamente junto dos cosplayers e também interagiram muito com o público. Takumi trouxe alguns presentes do Japão entre eles estavam uma camiseta autografada, uma revista japonesa de 1988 e duas sacolas de doces japoneses. Nossa amiga Leide Aguiar foi uma das escolhidas a subir ao palco junto dos dois e ainda teve a honra de levar uma sacola de doces do Jiraiya para a casa. Com certeza foi uma dia para lá de inesquecível para a nossa amiga, ein ?


O Anime Friends 2016 foi marcado pelo encontro de muitos amigos e parceiros da Tokunet. Infelizmente percebemos que o espaço para Tokusatsu ainda é pequeno demais, se comparado ao tamanho do evento, mas esperamos que isso possa mudar futuramente. Esperamos estar lá novamente ano que vem acompanhando tudo de perto novamente. Agradecemos também todos os amigos que estiveram presentes e os que não puderam estar presentes esse ano, em 2017 com certeza nos encontraremos lá.
SESSÃO DE FOTOS - TOKU FORCE ANIME FRIENDS 2016

Wagner Alves Maciel como Metalder


Edson Nakamatu (Jiraiya) e Valdir Almeida (Ranger Branco) no stand da Wow! Play. 

O Cosmaker Ney Birol como Jiban. 

Com Change Dragon. 







E por enquanto é só pessoal! E até o Anime Friends 2017!

BLOG TOKU FORCE - Valorizado o novo e o clássico da década mais divertida de todos os tempos!